7 dicas práticas para organizar a vida financeira

Em 2016, o número de famílias inadimplentes aumentou 25,2% em relação ao ano anterior, segundo a Peic Anual divulgada na última terça-feira (24) pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens). Sem entrar no mérito dos inúmeros fatores de influência envolvidos nesse complexo problema, queremos ajudar você, que é parte dessa estatística, ou conhece alguém que o é, com dicas para organizar sua vida financeira dando passos concretos em direção à mudança!

Pagar nossos credores em dia, honrando com os compromissos assumidos, é uma demonstração de amor ao próximo. Como seres dotados da possibilidade de escolha, precisamos colocar essa liberdade em prática, assumindo a responsabilidade que nos cabe. “Nesse momento, não adianta ficar achando culpados; é hora de arregaçar as mangas e ir atrás do prejuízo. O grande segredo é corrigir a causa do problema, não somente as consequências”, explica o educador financeiro e presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos. “O que os brasileiros devem fazer é se informar mais, para corrigir hábitos e comportamentos errôneos e enraizados em relação ao uso e à administração dos recursos financeiros, que os levam a pagar juros altíssimos e, consequentemente, à inadimplência”, complementa o educador financeiro.

Com base em seus anos de experiência trabalhando com comportamento financeiro, Domingos listou algumas dicas para te ajudar a sair do endividamento e organizar a vida financeira:

Reflita sobre hábitos e comportamentos

O primeiro passo, antes de mesmo de estabelecer um planejamento para quitar as dívidas em atraso, é refletir sobre os hábitos e comportamentos que levaram a pessoa a chegar nessa situação. Para isso, é importante fazer um diagnóstico financeiro e conhecer, definitivamente, de que forma gasta seu dinheiro.

Conheça suas despesas cotidianas

Anote durante 30 dias todos os gastos que tiver, separando por tipo de despesa. Isso inclui gastos “pequenos”, que podem até ser considerado menos importantes, como gorjetas e guloseimas, pois no final do período será possível compreender de que forma, efetivamente, seu dinheiro está sendo gasto. Este é o diagnóstico financeiro.

Identifique suas despesas fixas

Coloque na ponta do lápis todas as dívidas que possuir, separando as que correspondem a serviços e produtos de necessidade básica, que não podem ser cortados (como água, energia elétrica, gás e aluguel) e as que sofrem juros mais altos (como cartão de crédito e cheque especial), considerando essas como prioridade para pagamento.

Inclua sanar suas dívidas em sua lista de sonhos

Relacione, no mínimo, três sonhos: um de curto (até um ano), um de médio (de um a dez anos) e outro de longo (acima de dez anos) prazo, sendo que um deles deve ser o de sair das dívidas.

Reconheça os gastos que podem ser reduzidos ou eliminados

Com os números do diagnóstico financeiro em mãos, saiba quais gastos poderá diminuir ou até mesmo eliminar para poder poupar, mensalmente, para realizar o sonho de sair das dívidas sem que tenha que fazer outra dívida.

Consulte um especialista em investimentos

Aplicar esse dinheiro em um investimento que seja coerente ao tipo de objetivo (prazo) e ao perfil do investidor. É importante consultar um especialista.

Planeje o pagamento de suas dívidas

Tenha em mente que só se deve pagar uma dívida quando se tem condições de fazer isso, ou seja, após se planejar, pois um passo precipitado pode até piorar a situação. Portanto, só se deve procurar um credor, quando já souber quanto terá disponível mensalmente para pagar e, então, poder negociar.

Como já tratamos aqui no blogue, o desequilíbrio financeiro traz inúmeros prejuízos ao bem-estar social e do indivíduo. Um levantamento realizado com consumidores que têm contas em atraso há mais de 90 dias pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revelou que dívidas em excesso podem ocasionar uma série de problemas emocionais e físicos, como ansiedade, angústia, alterações no apetite, dificuldades no relacionamento pessoal e até para pegar no sono. 

Se você está endividada, ore ao Senhor pedindo sabedoria para ser uma boa administradora dos bens que Ele tem confiado a você, de modo que consiga honrar com os compromissos assumidos. Faça a sua parte, e confie que Deus nunca te abandonará!

Share

Deixe uma resposta