Bullying na infância pode traumatizar tanto quanto outros abusos, revela pesquisa

bullying_out2016

Como tratamos recentemente aqui no blogue, experiências ruins que foram mal resolvidas no nosso coração podem influenciar negativamente na vida adulta. Falta de perdão, amargura e mágoas são pecados que podem resultar em problemas emocionais que prejudicam nossos relacionamentos, impedindo-nos de praticar o amor bíblico. 

Em agosto deste ano, pesquisadores revelaram o resultado de um estudo que ouviu 480 graduandos da Universidade de Illinois, Estados Unidos, quanto às experiências traumáticas vividas por esses alunos até seus 17 anos. Descobriu-se que os participantes que foram repetidamente submetidos a agressões verbais e/ou físicas características do bullying apresentaram problemas emocionais, como ansiedade e depressão, tanto quanto aqueles que afirmaram terem sido vítimas de outras experiências traumáticas, como violência doméstica e sexual.

Dentre os respondentes que afirmaram sofrer de depressão, 19% relataram terem passado por algum bullying, enquanto apenas 0,2% afirmaram ter sofrido violência doméstica e 0,8% violência sexual por adultos. No caso de quem tinha ansiedade, 12% diziam ter sofrido provocações na infância, 0,2% passaram por violência doméstica e 0,5% por abuso sexual. 

Esses dados chamam a atenção para a extensão dos potenciais estragos provocados pelo bullying, bem como para o peso que podemos dar à forma como os outros nos vêem, principalmente durante a primeira infância, período de grande vulnerabilidade. Por esse motivo, é fundamental saber quem somos sob a perspectiva de Deus, uma vez que a perspectiva humana sempre será falha. 

Share

Deixe uma resposta