Cuidado com o que fala

“Ora, a língua é fogo…” – Tg. 3:6

*Por Diogo Henrique

O alvo desse devocional é levar a uma reflexão do que realmente tem saído de nossas bocas, ou dos nossos teclados.

Vivemos em uma época em que há incentivo para se falar o que pensa, sem levar em consideração o outro lado e, infelizmente, muitos acabam criando conflitos sem avaliar o quão danoso isso pode ser para o relacionamento cristão. Muitos textos falam sobre o refletir, o avaliar antes de falar para evitar os danos para si nem para o outro (Pv. 21:23, 29:20).

E mesmo que não consideremos algumas atitudes como pecaminosas, a Bíblia condena aquele que engana o próximo e depois diz que fez por “brincadeirinha” (Pv. 26:19), bem como condena o que fala mentiras (Pv. 12:19). E mesmo as palavras torpes, as maledicências, as tagarelices, as falsas promessas, a ofensa, a injúria, entre outros, são pecados que nascem neste pequeno órgão: a língua.

Quero deixar bem claro que esta é uma luta de todos nós e que se quisermos, verdadeiramente, manter um padrão divino, precisamos aprender o que a Bíblia nos ensina a respeito. Neste devocional, quero deixar três sugestões que nos ajudarão a usar bem o que sai de nossas bocas.

Avaliemos o que falamos

Conforme Efésios 4:29, podemos categorizar o que sai das nossas bocas de duas formas: palavras torpes ou palavras que tragam edificação, que sejam necessárias e que transmitam graça aos ouvintes. A decisão no final é nossa.

Falemos menos

Esta é a orientação de Provérbios 13:3. Além de avaliar e ser seletivo quanto ao que se fala, entendo que quanto menos se fala, menor será a chance de falar o que não deve.

Peçamos para que Deus controle o que sai de nossas bocas.

Tiago 3:8 nos alerta que o homem não é capaz de dominar, por si só, o que provém de sua língua. Mas graças a Deus pelo Salmo 141:3 que nos ensina que podemos pedir ajuda ao Senhor ajuda para o controle de tudo o que falamos.

Que Deus nos ajude e nos dê sabedoria para que abençoemos e não amaldiçoemos; que edifiquemos e não destruamos a ninguém. O que sai das nossas bocas demonstra o fruto do Espírito que está dentro de cada cristão.


*Diogo Henrique é pastor da Igreja Batista Esperança. Conteúdo originalmente publicado no boletim da IBE com reprodução autorizada pelo autor.

Share

One comment

  1. Miuly says:

    Ameii esse arttigo! Um lembrete da importância de falar menos e usar a boca pra edificar as pessoas que estão ao meu redor!
    Amo esse blog!
    Deus continue te usando pra abençoar a vida dos leitores.

Deixe uma resposta