Defraudação ao próximo

Por Camilla Vieira*

No post anterior da série falamos de autodefraudação, que é quando você defrauda a si mesmo. Hoje o tema, assim como diz o título, é a Defraudação ao Próximo, onde você engana a outra pessoa, também gerando danos emocionais.

Primeiramente, defraudar seu próximo implica em diversas coisas, tais como:

1. Defraudar é alimentar, em outra pessoa, expectativas que não irá suprir. Seja porque você não deseja algo sério com ela ou no momento, é obviamente errado induzir alguém a acreditar que você vai ser algo a mais dela.

2. Defraudar é abuso de confiança. Pensando no primeiro tópico, quando você, sabendo que alguém confia em você, utilizar-se disso pra tirar vantagem (seja no âmbito físico, emocional, etc). Sabe aquele tipo de “testes” pra ver até onde a pessoa vai? Então…

3. Defraudar é falta de compromissoGeralmente, na defraudação ao outro, uma das partes (ou mesmo as duas), acaba por buscar benefícios, mas sem assumir compromisso – o que acaba por atropelar qualquer princípio bíblico.

4. Defraudar é desamor (1 Co. 13.5). O amor não faz mal ao outro nem procura seus próprios interesses. Quando você engana seu irmão não precisa nem dizer que está se opondo ao versículo, né?

5. Defraudar é desrespeito. O respeito é uma chave fundamental na convivência cristã e além de honrar seu irmão, você deve fazer a ele o que você gostaria que te fosse feito (ou não fazer o que não gostaria que fizessem com você – Mt. 7.12)

Quando se busca usufruir de privilégios que não lhe cabem, como carinho (no sentido romântico), prazeres, atenção ou uma posição de casal  enquanto não se tem o devido relacionamento, basicamente é o mesmo que querer salário sem trabalho. Deus nos ensina que em tudo devemos fazer Sua vontade, pois os prazeres são presentes Dele e não o motivo pra agir.

Existe um tempo para tudo. Se você quer alguém pra gostar, tome com isso as responsabilidades – mas se não estiver pronto, aceite a condição e busque melhorar. Não se esqueça que pra um casamento também existem deveres conjugais e não somente benefícios. Lembre-se que seu dever é amar ao próximo, seja quem for, o que significa zelar, respeitar e proteger.

Por fim, saiba: defraudar a seu próximo é também se enganar. Aja da maneira mais franca e honesta consigo mesmo, com seu próximo e honre ao Senhor!


*Camilla Vieira é estudante e colunista do Não Morda a Maçã. Conteúdo originalmente publicado no site Não Morda a Maçã com reprodução autorizada pela autora

Você pode se interessar também:

Defraudação emocional: autodefraudação

Share

2 comments

Deixe uma resposta