O pensamento positivo na vida do cristão

Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai. Filipenses 4:8

Recentemente submeti uma proposta de serviço a uma multinacional com oportunidades promissoras. Quando questionada sobre o andamento da aprovação pela pessoa que me ajudou a elaborá-la, respondi que ainda não havia obtido o retorno, e por essa razão deveríamos ficar na torcida. Foi então que, sem hesitar, ele me convidou a sentir a “realização e frequência de todos os fechamentos”. E prosseguiu: “O universo já respondeu ao Seu Desejo. Você nunca pede você acessa e recebe. Imagine-se celebrando este projeto. Viva como se ele já estivesse em tuas mãos. Imagine-se? A física quântica e energia e seus pensamentos e subconsciente recebe a suas informações.”

Respirei, pensei. Demorei 30 minutos para elaborar uma resposta que não soasse arrogante sem negar a minha fé afinal, as crenças dele pareciam destoar das minhas. E foi então que respondi: “Que maravilha. Mentalizar coisas boas é realmente muito bom. Coloco tudo diante de Deus. Sei que Ele me ouve e tem sempre o melhor, não importam as circunstâncias.” O papo terminou ali.

Nutrir nossa mente com pensamentos positivos é uma prática recomendada muito antes do surgimento da física quântica. Em sua carta à igreja de Filipos, o apóstolo Paulo encoraja os crentes a pensarem em coisas boas, puras, cheias de louvor. Perdoar e ter uma atitude otimista mesmo diante das dificuldades são exemplos de pensamentos positivos.

Considerando que até pessoas que não confessam a Cristo como seu Salvador creem em filosofias que se assemelham a princípios bíblicos, o que deve diferenciar o cristão em seu modo de pensar e, consequentemente, de agir?

Embora apresentem conceitos que levem à reflexão, as ciências humanas apresentam muitas filosofias contrárias aos princípios bíblicos. A partir do momento em que suas vontades são colocadas acima de todo o resto, tendo fim em si mesmo, e suas ações são motivadas por uma falsa sensação de poder (EU posso ao invés de DEUS pode), o risco de queda se torna grande.

Eu mesma passei por uma grande decepção, e demorou um bom tempo até eu perceber que Deus pode ter permitido aquela situação devido à minha obstinação em ver as coisas acontecerem do jeito que eu desejava. Meus “pensamentos positivos” me cegaram a tal ponto de ignorar as respostas de oração que Deus me dava. 

Como você, ainda estou aprendendo, mas percebi a grande diferença entre a fé que crê que Deus pode realizar meu pedido, e a fé que Deus fará aquilo que eu peço. Compreender essa diferença é essencial para não nos frustrarmos com Deus e cairmos na infeliz pergunta “Porquê, Deus?” quando as coisas não saírem do jeito como mentalizamos, pedimos, oramos.

Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; Colossenses 2:8

Ore e vigie para não ser consumido por filosofias e teorias que te dão um empoderamento meramente egoísta. Nosso coração é enganoso (Jeremias 17:9), e só o Senhor sabe o que é verdadeiramente bom pra gente (Jeremias 29:11).

Você pode se interessar também:

Solteiramente triste

Share

Deixe uma resposta